Amigos do Crivella


Deixe um comentário

Marcelo Crivella critica discussão de ideologia de gênero nas escolas

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) criticou a discussão da ideologia de gênero nas escolas e cobrou a retirada do conteúdo dos planos de educação no país.

Para o senador, a discussão sobre diversidade e orientação sexual é papel da família e não do Estado. Ele disse que o pai e mãe são os responsáveis pela transmissão dos princípios, valores e tradições, cabendo aos professores o ensino, a formação para a cidadania e o preparo para a vida profissional.

Nesse sentido, Crivella também criticou o ensino religioso nas escolas, mas lembrou que é da tradição cristã a defesa da família com os estereótipos dos gênero masculino e feminino.

– Essas coisas têm um valor sagrado. Essas coisas são caras a nós, cujas tradições, princípios e valores são os da família. Daquela família ‘adâmica':  um homem, uma mulher e seus filhos.  E agora com essa discussão de ideologia de gênero nós ficamos sujeitos a deformações, que amanhã poderão ter reflexos muito complexos até de serem avaliados, porque vai dar uma confusão no futuro. E  pior, desautorizar o pai e a mãe na sua autoridade de educador – afirmou o senador.

Agência Senado


Deixe um comentário

Crivella na Marcha para Jesus em São Paulo

Marcha
“O nosso comportamento determina quem nós somos”, diz apóstolo Estevam

“Temos aqui pessoas que podem mudar o futuro do nosso país.

Nós queremos erguer um clamor, porque a morte do Senhor Jesus na cruz foi pra que você tivesse sua vida restaurada.

O nosso comportamento determina quem nós somos, e nós somos um povo lavado e remido pelo sangue do Cordeiro.

Os sons aqui não teriam sentido se você não sentisse a presença do Espírito na tua vida. Nós precisamos louvar a Deus em Espírito e em verdade.”, clama Apóstolo Estevam Hernandes.


Deixe um comentário

Pesca: a ausência de Crivella

João Lyra Neto – Jornalista do Tribuna do Norte

Não se pode deixar de falar do ex-ministro Marcelo Crivella, pelo que fez em favor da pesca no Nordeste. Foi um Ministro da melhor qualidade, apoiando na solução do seu trabalho, pela presidente Dilma. A pesca é uma atividade da maior importância para o Nordeste. É feita com dificuldade pelos que a ela se dedicam. Ela muito representa não só para a população de baixa renda como para as classes média e alta.

A pesca da tilapia representa um tipo de pescado aprovado pela população de Natal e Recife. O Salmão e o Atum figuram como elementos principais na linha de exportação. São dois peixes de grande aceitação. A região sul se apresenta em primeiro luar com essa atividade. Os recursos para assistência a pesca, são melhor obtidos. E a ação dos bancos o maior suporte.

O Nordeste, na gestão do ex- ministro Marcelo Crivella, sempre mereceu atenção na solução dos problemas. Para agilizar a situação o ex-ministro veio à Natal empenado em resolver os problemas mais complexos. Sacrificado pela ação impiedosa da seca, o Rio Grande do Norte, precisava desenvolver essa atividade. O Terminal Pesqueiro é de muita importância para Natal. Os empresários devem pensar no que isso representa.

No Rio Grande do Norte existe uma importante e enorme área para a cultura do camarão, gerando bons resultados para seus criadores. Embora sendo uma atividade diferente da pesca, ela merece a atenção dos que exploram o seu comércio. Afirma uma articuladora da rede de pesca que, nas ressalvas sobre a sustentabilidade desse programa.

A preocupação principal é a ordenação das áreas. O Ministério da Pesca tem agido no sentido de ajudas as atividades de pequeno porte. Atividade, pela importância que ela tem que merece atenção nessa luta em prol da pesca.

Na gestão operosa da Governadora Wilma de Faria, havia o interesse em colocar a ação do Estado em favor do Terminal Pesqueiro e exigir trabalho em favor da pesca. Salientam os estudiosos que é uma vergonha o Brasil ter pouco mais de um milhão de toneladas de pescado por ao quando o Peru tem uma produção de mais de nove milhões de toneladas desse produto. Isso, foi uma das preocupações do ex-ministro Crivella, especialmente no Nordeste, onde as condições são incompatíveis com o Sul.

Quanto a recursos, o Governo Federal definiu uma pronta-ajuda ao pescador chamado “Plano Safra”. Isso deu oportunidade de melhorar à atividade. O Nordeste mereceu, com a decisão do Governo, ter maior condição de pesca. A ação do ex–ministro Marcelo Crivella foi importante para a conquista do “Plano Safra”, linha de empréstimo ao pescador.


Deixe um comentário

@MCrivella apresenta projeto alternativo para trabalho terceirizado

Contrário ao projeto de lei complementar 30, que dentre outros malefícios, permite a terceirização nas atividades-fim das empresas, o senador Marcelo Crivella pediu nesta terça-feira (19), a rejeição da proposta que está em análise no Senado e apresentou um novo projeto que restringe a terceirização as atividades-meio.

Segundo, Crivella o PLC 30 é um projeto desumano que desvaloriza as conquistas trabalhistas. “Nesse momento da nossa economia nós vamos colocar o trabalhador numa situação de extrema precarização, ou é o desemprego ou é o salário aviltado. Não é esse o caminho para construirmos um Brasil melhor”, ressaltou.

Em seu discurso, Crivella disse que a terceirização das atividades-fim quebra a isonomia constitucional devida ao trabalhador e permite que a empresa principal  contrate a empresa terceirizada para a redução dos seus custos.

“É óbvio que a empresa terceirizada repassará ao trabalhador apenas parte do que recebeu. É um jogo de somativa negativa, na qual o trabalhador sempre perderá”, afirmou o senador.

 Crivella também apresentou dados do Dieese e do Ministério do Trabalho, que apontam que o salário dos terceirizados é, na média, 24% menor que o dos empregados formais. Esses trabalhadores também não gozam de benefícios como participação nos lucros, auxílio-creche e jornada de seis horas, nas empresas em que tais benefícios existem. Segundo o senador eles ainda trabalham, em média, três horas a mais por semana do que os empregados fixos.

Novo Projeto

A proposta apresentada por Crivella corrige distorções do Projeto da Câmara. Dentre outras inovações, restringe a terceirização às atividades-meio; veda a quarteirização, como maneira de evitar a precarização das relações de trabalho; aumenta a responsabilidade solidária do tomador dos serviços, que também passa a ser responsável pelas obrigações trabalhistas e previdenciárias relativas aos terceirizados.

Além disso, garante a portabilidade dos períodos aquisitivos e concessivos de férias em caso de terceirização sucessiva, ou seja, aquela em que as contratações acontecem antes da aquisição do direito às férias.


Deixe um comentário

@MCrivella} “o projeto da terceirização em análise no Senado é “desumano” e “socialmente irresponsável”.

Crivella pede que Senado rejeite projeto da terceirização

Moreira Mariz/Agência Senado

O senador Marcelo Crivella (PRB-RJ) afirmou, nesta terça-feira (19), que o projeto da terceirização em análise no Senado é “desumano” e “socialmente irresponsável”. Para ele, o ideal é a Casa rejeitar o projeto do deputado Sandro Mabel e elaborar uma nova proposta sobre o tema.

Crivella citou dados do Dieese e do Ministério do Trabalho que revelam que o trabalhador terceirizado recebe 24% a menos do que o formal, além de não gozar de benefícios como participação no lucro das empresas e auxílio creche.

O senador ainda ressaltou que esses profissionais trabalham três horas a mais por semana do que os empregados fixos e que, de cada dez acidentes de trabalho, oito atingem os terceirizados.

— Nosso povo  nunca nos esquecerá se produzirmos um retrocesso histórico nessa questão. Seremos lembrados como traidores se permitimos a involução desses direitos — afirmou.

Agência Senado


Deixe um comentário

No Rio, Crivella debate Lei da Terceirização com sindicalistas

Fonte: Ascom senador Marcelo Crivella

O senador Marcelo Crivella foi recebido, na tarde de sexta-feira (08), por presidentes de diversos sindicatos filiados à União Geral dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (UGT-RJ) para discutir o projeto que regulamenta e expande os contratos de terceirização no país. O PL 4.330/2004, aprovado na Câmara, recebeu novo número no Senado, onde foi registrado como Projeto de Lei da Câmara (PLC) 30/2015, e será debatido em sessão temática no Plenário na próxima semana.

Para o presidente da UGT-Rio, Nilson Duarte, o projeto é um retrocesso no que se refere aos direitos trabalhistas. “Muitos trabalhadores perderam a vida no decorrer da história em defesa dos seus direitos e agora nós vemos projetos tramitando no Congresso caminhando na direção oposta, cerceando os direitos da classe. Esperamos que o Senado rejeite esta proposta perniciosa”, salientou o presidente da UGT-RJ.

Duarte destacou também o desempenho do senador na defesa das leis trabalhistas, “sabemos da sua participação, da sua defesa e da sua luta pelos direitos dos trabalhadores e pela sociedade do Rio de Janeiro. E este empenho não encontra-se apenas em suas promessas de campanha, mas também durante toda a sua trajetória política”, revelou.

Crivella manifestou-se contrário à terceirização da atividade fim e salientou a necessidade de aperfeiçoar o Projeto de Lei no Senado. “Se nós aprovarmos a lei como veio da Câmara, vamos perder importantes conquistas obtidas pelos trabalhadores brasileiros e que hoje estão na CLT. O PL permite a terceirização de até 100% da empresa, o que significa que qualquer atividade possa ser terceirizada; amplia a terceirização do setor público, alcançando as agências reguladoras, as fundações e as empresas de economia mista, quebrando o princípio isonômico de concurso público; cria a possibilidade de incluir a cota dos portadores de necessidades especiais nas contratações terceirizadas da empresa; e obriga a reter apenas apenas 4% do valor do contrato para pagamento das obrigações trabalhistas dos empregados em caso de falência da empresa terceirizada”, afirmou o senador.

Participaram do debate dirigentes dos Sindicato de Asseio e Conservação; Sindicato dos Alfaiates; Sindicato dos Mestres de Cabotagem e dos Contramestres em Transportes Marítimos; Sindicato dos Fisioterapeutas; Sindicato dos Corretores de Imóveis; Sindicato dos Vigilantes; Sindicato dos Empregados das Instituições Filantrópicas Beneficentes e Religiosas; e Sindicato das Trabalhadoras Domésticas.

UGT-RJ

A União Geral dos Trabalhadores do Rio de Janeiro (UGT-RJ) é a segunda maior central sindical do estado com 112 entidades filiadas, que representam cerca de 1,5 milhão de trabalhadores.