Amigos do Crivella


Deixe um comentário

24 Senadores (30% do total no Senado Federal) já formalizaram apoio ao Programa Brasil+Competitivo (PL 6558/2013)

Apoio de diversos líderes e formadores de opinião no Senado Federal ratifica caráter suprapartidário deste Programa

SÃO PAULO, 22 de abril de 2014 /PRNewswire/ – Essa semana é importante para a evolução do Programa Brasil+Competitivo, instituído pelo Projeto de Lei 6558/2013 de autoria do Deputado Otavio Leite (PSDB/RJ). Após audiência pública em 8/4/2014 na Comissão de Finanças e Tributação (CFT), e decorrido o prazo para apresentação de emendas (sem quaisquer alterações), aguarda-se apenas a apresentação do relatório do Deputado João Magalhães (PMDB/MG).

Vale lembrar que em 11/12/2013 o Programa Brasil+Competitivo (PL 6558/2013) foi aprovado por unanimidade na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio (CDEIC). Caso seja também aprovado na CFT e, posteriormente, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC), ele seguirá para apreciação do Senado Federal sem a necessidade de ser analisado pelo Plenário da Câmara dos Deputados.

E chegando ao Senado Federal, pelo menos 24 senadores (30% do total dos 81 senadores) já formalizaram apoio ao Programa Brasil+Competitivo (PL 6558/2013), o que comprova o seu caráter extremamente suprapartidário. São eles:

Alvaro Dias (PSDB/PR); Ana Amélia (PP/RS); Armando Monteiro (PTB/PE); Casildo Maldaner (PMDB/SC); Cícero Lucena (PSDB/PB); Ciro Nogueira (PP/PI e presidente nacional do PP); Cyro Miranda (PSDB/GO); Eduardo Suplicy (PT/SP); Flexa Ribeiro (PSDB/PA); Ivonete Dantas (PMDB/RN); Jarbas Vasconcelos (PMDB/PE); Jayme Campos (DEM/MT); João Vicente Claudino (PTB/PI); José Agripino (DEM/RN e presidente nacional do DEM); Lindbergh Farias (PT/RJ e presidente da Comissão de Assuntos Econômicos – CAE); Lúcia Vânia (PSDB/GO); Marcelo Crivella (PRB/RJ); Maria do Carmo Alves (DEM/SE); Paulo Bauer (PSDB/SC); Randolfe Rodrigues (PSOL/AP); Ruben Figueiró (PSDB/MS); Sérgio Petecão (PSD/AC) Valdir Raupp (PMDB/RO e presidente nacional do PMDB); e Wilder Morais (DEM/GO). Se aprovado no Congresso e posteriormente sancionado pela Presidente Dilma Rousseff, no período de cinco anos o Brasil+Competitivo poderá materializar seus principais méritos:

Mais de R$84 bilhões de investimento privado produtivo na economia brasileira (crescem taxas de investimento e de poupança, crescem produtividade e inovação, e melhoram as oportunidades de perpetuidade dos negócios); Aumento da pauta de exportação e geração de mais de 1,1 milhão de novos empregos formais no segmento de pequenas e médias empresas (PMEs); Governo captura mais de R$2,5 bilhões de ganho líquido de imposto de renda (único instrumento de viabilização do Brasil+Competitivo, o que não traz custo algum ao Orçamento da União). Cresce também a arrecadação de INSS/FGTS em mais de R$6,8 bilhões, decorrente dos novos empregos formais gerados; e Formalizam-se cadeias produtivas, com empreendedorismo e sem tratamento preferencial por segmento industrial/agrícola ou região do País. Na quarta-feira (23/4), será anunciado o integrante #185 da iniciativa, dentre os quais: 49 escritórios de advocacia, 17 intermediários financeiros (bancos), 11 auditorias e 108 entidades tais como confederações/federações empresariais (CNI, FIESP, FIEMG, FIEP, FecomercioSP, ACSP e CIC), centrais sindicais de trabalhadores (UGT e Força Sindical), entidades de empreendedorismo e competitividade (como MBC – Movimento Brasil Competitivo, BRAiN, MBE – Movimento Brasil Eficiente, Frente Parlamentar do Empreendedorismo, Rio Negócios, CIETEC, Anjos do Brasil, AlampymeBR, ANCORD, ANEFAC, APIMEC, IBEF-SP e CONAJE), e entidades de educação, como EXAME PME (Ed. Abril), PEGN, Época NEGÓCIOS e Movimento Empreenda (Ed. Globo). O Brasil+Competitivo tem a liderança da Confederação Nacional da Indústria – CNI.

Mais informações sobre o Brasil+Competitivo: info@bmaiscompet.com.br  Tel.: (11) 3529-3777

FONTE Brasil+Competitivo


Deixe um comentário

Ibope: Crivella venceria eleições no segundo turno

Segundo a pesquisa, Crivella e Anthony Garotinho (PR) iriam para o segundo turno e o senador conquistaria 28% dos votos, enquanto Garotinho ficaria com 24%.

Analisando só o primeiro turno, Garotinho tem 19% das intenções de voto e Crivella, 18%, caracterizando empate técnico. Lindberg Farias (PT) obteve 13%, Luiz Fernando Pezão (PMDB), 6%, e Alfredo Sirkis (PSB), 2%. Votos brancos e nulos somam 35% e indecisos, 8%.

Entre os mais rejeitados, estão César Maia (DEM), com 69% dos votos, Garotinho, com 60%, e Pezão, com 59%.

Fonte: SDRZ


Deixe um comentário

Crivella sai em defesa dos servidores do INMET

Em apoio aos servidores do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), o senador Marcelo Crivella encaminhou nesta terça-feira (8), ofício ao ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadantereivindicando que a categoria seja incluída no Plano de Carreira da área de ciência e tecnologia.

No documento, o senador  ressalta que os servidores do INMET trabalham com uma das tecnologias mais modernas do mundo para fornecer à sociedade informações meteorológicas, gratuitas e em tempo real, contribuindo para o desenvolvimento sustentável do País e na prevenção de calamidades naturais. Por isso, não pode ser desprezada do reconhecimento já feito a outras atividades similares.

“Estamos a falar de cerca de quinhentos e cinquenta funcionários, contingente pequeno, mas de importância vital para minimizar a ocorrência de eventos como o que se abateu sobre o Rio de Janeiro em 2011, a pior catástrofe natural da história deste País. Os servidores do INMET merecem tratamento igual aos demais integrantes das carreiras de ciência e tecnologia”, disse Crivella.

Em julho de 1993 foi sancionada a Lei 8.691, que trata dos Planos de Carreira para a área de ciência e tecnologia federal e os servidores do INMET não foram incluídos. Em 2012 foi sancionada a Lei 12.702 e novamente os servidores não foram contemplados no Plano de Carreira,passando a ter  direito apenas a uma gratificação, benefício esse que não será incorporado aos vencimentos daqueles servidores que se aposentarem nos próximos cinco anos.